Com a chegada da atualização de aniversário do Windows 10, há duas semanas atrás, a Microsoft também atualizou seu núcleo da “internet of things”, ou “internet das coisas”, do Windows 10. O update trouxe suporte para um novo chipset, o “Intel Joule” com processador “Atom T5700”.

iduu

A Intel lançou “Joule” como uma pequena placa-mãe projetada para dispositivos da “internet das coisas”. E podemos ver um exemplo do que é possível fazer com o novo chipset e o Windows 10 IoT.

A empresa de Redmond estava trabalhando para inserir seu sistema operacional no “Joule” e construir o “Bamboo”. Por trás desse nome, se esconde um pequeno robô em forma de panda, que se conecta ao “Microsoft Azure” e serviços cognitivos, que dá ao “Bamboo” uma grande capacidade de analisar seu ambiente, e foi durante o “Developer Fórum 2016”, que a Intel mostrou as capacidades que a nova linha “Joule” pode trazer ao mercado.

Bamboo-con-Windows-10-IoT-1024x576

“Bamboo” é capaz de entender qualquer idioma, e traduz para o inglês nativo as instruções ditas, já a sua movimentação, é feita com uma câmera com tecnologia “RealSense” que reconhece o lugar onde está através do sistema de controle “EZ-Robot”.

E por fim, o “EZ-Robot” tornou mais fácil para quem pretende programar um desses robôs com Windows 10 IoT. Em conjunto com o software “EZ-Builder”, o usuário experiente poderá exportar seu código UWP que controla o movimento do robô e aplicá-lo em outra máquina.

internet-das-coisas

Para nós usuários, é interessante vermos a forma de como a “internet das coisas” permite que o Windows 10 a partir de alguns códigos opere um pequeno robô com todas as suas funções.